Marketplace: afinal, é bom ou ruim?

Marketplace: afinal, é bom ou ruim?
14 min. de leitura

Estamos aqui novamente, com mais um conteúdo rico para você! Dessa vez, vamos desvendar alguns mitos que as pessoas criam por aí, e comentar um pouco sobre Marketplace — então prepare-se, sobre este assunto realmente temos o que falar!

Vale lembrar que esse artigo faz parte da nossa série de webinars. Então, se você preferir ver o webinar gravado, em vez de ler, pode fazer acessar o vídeo do material clicando aqui. Agora, caso você tenha como preferência a leitura, acompanhe esse artigo até o final, pegue um papel e uma caneta e anote todas as ideias e insights que vão surgir, combinado?

Boa leitura!

Então, marketplace é bom ou ruim?

É sério, essa dúvida surgiu de muitos clientes da Climba Commerce, e é exatamente por isso que decidimos criar um webinar e agora um conteúdo sobre este assunto. Vimos que essa é uma dúvida em comum de muitas pessoas, e realmente é válido de se pensar.

Algumas das dúvidas que chegaram até nós de lojistas e futuros donos de e-commerce foram as seguintes:

  • Vale a pena vender em marketplace?
  • Quais os benefícios que vou ter?
  • Quais problemas vou enfrentar?
  • O que tem por trás do marketplace?

Então, para tentar ajudar todas as pessoas que possuem essa dúvida que criamos este conteúdo. O objetivo realmente é esclarecer e fazer com que os empresários tomem a melhor decisão.

Antes de afirmarmos se vale a pena ou não investir em marketplace, precisamos trazer algumas informações, caso contrário, este conteúdo não valeria de nada. Então, continue lendo que você vai entender porque as informações são importantes antes de tirar qualquer tipo de conclusão.

Você deve estar aqui por algum desses 3 motivos

1 – Você pode ter uma loja física e está pensando em vender pela internet.

2 – Você já vende em marketplace e ficou curioso.

3 – Você já tem um e-commerce e acredita que vender pelo marketplace pode aumentar o seu faturamento.

Então, se você tem um e-commerce, pode estar sentindo falta dos resultados mesmo. Nos números, pode estar vendo que as visitas não chegam e, consequentemente, as vendas não acontecem. Ou o seu e-commerce é muito novo, e você não investe nas estratégias para captação de clientes, e isso pode fazer com que o sentimento de resultado negativo comece a surgir.

Além disso, você também pode ter um e-commerce com poucos produtos, como já aconteceu em vários casos que já vimos, e acaba que isso dificulta a entrada dos clientes, que prejudica o número de visitas e surge a tão temida dificuldade de gerar venda, que todo dono de loja virtual quer ver longe!

Mas não engane-se! Não queremos dizer que poucos produtos é igual a poucas vendas. Muito pelo contrário, é possível ter um e-commerce com poucos produtos e vender muito, mas o que queremos dizer aqui é que uma coisa liga a outra, e se o e-commerce não está rendendo a pouca quantidade de produtos pode ser um dos fatores que estão levando a isso.

Então, se você estiver em algum desses momentos que apresentamos, pode ter certeza que este conteúdo fará total sentido para você. Mas, se não for, sem problemas. O conteúdo é bem completo e as informações valem para todos!

E aí que surge a ideia do Marketplace

Quando o lojista está enfrentando as dificuldades que apresentamos acima, surge uma lâmpada mágica, com a ideia do marketplace. E é exatamente neste momento que vem a dúvida: será que realmente vale a pena investir em um marketplace? Vender meus produtos por lá?

A palavra marketplace realmente está em evidência — há alguns anos já, na verdade. E a dúvida que surge nos empresários é: o que é marketplace? Como funciona? É possível vender qualquer produto?

Podemos considerar o marketplace um shopping center do mundo virtual. Como em um shopping físico, vários lojistas vendem os seus produtos, no marketplace a ideia é a mesma: os empresários divulgam os seus produtos em um único site (marketplace) e os usuários podem acessar este único site para comprar diversos tipos de produtos e marcas, ou seja, a variedade aumenta.

E como em um shopping, que as lojas estão ali por conta do público que circula e que foi atraído pelo shopping, no marketplace é a mesma coisa. As pessoas acessam aquele determinado site porque foram atraídas, e a sua loja está ali, pronta para vender os seus produtos.

Por que estar em um marketplace?

Estando presente em um marketplace, você vai aproveitar:

  • As visitas do determinado site, que tem um público que acessa diariamente e pesquisa produtos por ali;
  • O tráfego gerado pelo site;
  • A estrutura dos links patrocinados, ou seja, o marketplace já está investindo em Google Ads, Facebook Ads e todas outras estratégias de marketing digital;
  • As redes sociais de divulgação do marketplace;
  • E-mail marketing;
  • Search Engine Optimization (SEO), pois com certeza o marketplace já trabalhou com a parte de SEO e tem um posicionamento satisfatório nas ferramentas de busca;
  • Campanhas de marketing e promoções no site, que atraem cada vez mais público.

Então, estar dentro de um marketplace é poder aproveitar essa estrutura que já foi criada, já existe. Está pronta para você anunciar o seu produto e vender.

Mas, será que isso funciona no ponto de vista do consumidor?

Uma coisa é certa: toda essa tecnologia de marketplace precisa resolver um problema do consumidor, porque se não realmente não faz sentido, pois não agrega valor, não traz benefícios para quem realmente importa: o comprador.

A resposta é: realmente está!

Ebit, que ajuda a verificar a reputação recente das lojas virtuais, fez a seguinte pergunta para os usuários: “para você, quais são as vantagens de comprar em uma loja parceira/e-commerce, em comparação com a loja própria?”.

  1. 74% das pessoas respondeu: melhor preço.
  2. 53% respondeu: mais variedade.
  3. 29%: disponibilidade do produto.
  4. 27%: melhor seleção dos produtos.
  5. 17%: frete mais barato.
  6. 14%: melhor prazo de entrega.
  7. 9%: atendimento ao consumidor.
  8. 7%: não há vantagens.
  9. 5%: outros.

Então, de modo geral, a pesquisa mostra que os consumidores estão tendo uma experiência bacana ao comprar produtos de um marketplace. Elas sentem que existe um melhor preço, mais variedade, maior disponibilidade do produto e assim por diante. Então, referente a nossa dúvida: será que realmente está fazendo sentido e facilitando a vida do consumidor? A resposta é sim.

Além disso, outra pesquisa do Ebit de 2017 também mostra que os consumidores estão comprando cada vez mais em e-commerce. Light Users, que são usuários que compraram de 1 a 3 vezes no ano, foi de 39% das pessoas que participaram da pesquisa. E Heavy Users, que são aqueles que compraram mais de 4 vezes, foi 58%.

Para os consumidores está dando certo, e para o marketplace em si? Como estão esses números?

Vimos no tópico anterior, com base em pesquisas, que os consumidores estão adorando o marketplace, por conta de vários motivos. Mas, e esses números para o marketplace no geral, será que também são positivos?

Então, vamos aos números:

2015: 49,6 – 14% de crescimento com base ao ano anterior.

2016: 60,2 – 21% de crescimento com base ao ano anterior.

2017: 73,4 – 22% de crescimento com base ao ano anterior.

Então sim! Os números do marketplace estão crescendo cada vez mais. E se a gente for pensar no total, no geral mesmo, o marketplace também tem um resultado muito significante:

“A venda de produtos de parceiros em marketplaces representa aproximadamente 18,5% do total de vendas do comércio eletrônico do Brasil, com um total de mais de 8,8 bilhões de reais em vendas.”

Até pode parecer um número pequeno, mas como estamos falando do GERAL/TOTAL, com certeza esse número é muito significativo e merece a atenção de todos os lojistas.

E quem são esses marketplaces?

Pois é! Os números realmente são surpreendentes. Mas, afinal, quem são esses marketplaces que estão tendo esses números? Vendendo essas quantias? Vamos apresentar para você os principais deles, confira:

Magazine Luiza, Netshoes, Centauro, Submarino, Americanas, ShopTime, Saraiva, Ponto Frio, Casas Bahia, Kanui, Carrefour, Mercado Livre, Zattini, Dafiti, Walmart, MadeiraMadeira, Ricardo Eletro, entre tantos outros.

Esses são os mais famosos, mais conhecidos. Não é uma lista de melhores ou de com mais acessos. Na verdade, em termos de visitas, o maior é o Mercado Livre, com 500 milhões de visitas. E o segundo mais visitado, vem atrás com 100 milhões de visitas, que é a Americanas.

Como funciona um Marketplace?

Estamos falando muito em números, mas temos certeza que, com tudo isso que foi mostrado até aqui, você está curioso para saber, de fato, como funciona um marketplace. Então, preparamos um resumo para você entender a funcionalidade dessa tecnologia.

  1. Vendedores colocam os seus produtos à venda.
  2. O comprador faz a compra no marketplace do produto divulgado.
  3. O marketplace valida o pagamento e informa o vendedor.
  4. O vendedor envia o produto diretamente para o comprador.

Ou seja, o marketplace faz o meio de campo para as lojas, fazendo a divulgação, captando acessos, tendo um bom posicionamento nas ferramentas de busca e sendo uma vitrine para os lojistas, que vão ter seus produtos vendidos e precisarão fazer o cadastramento desses produtos em anúncios e o envio dos pedidos.

É bom para o lado do marketplace, que não precisa enviar o produto, de fato, para o cliente. E para o lojista, que não vai precisar investir em divulgação, na captação de novos acessos para o e-commerce, entre outros diversos benefícios que vamos apresentar para vocês a seguir!

Por que vender em Marketplace? Quais são os benefícios?

Maior visibilidade

Vamos supor que você tem uma loja física, não tem um e-commerce, e quer ter mais visibilidade, aumentar o número de vendas. O marketplace com certeza é uma das formas de fazer isso acontecer Basta você escolher o marketplace, analisar como funciona para divulgar e iniciar a venda dos seus produtos por lá.

Ou seja, você aumenta a visibilidade e não precisa criar um e-commerce, iniciar a divulgação, começar a captar clientes no meio digital, e todos outros passos que são complexos e demandam tempo.

Baixo investimento

Se pensarmos no investimento que as empresas fazem em um e-commerce, com certeza investir em um marketplace tem um custo muito menor, pois você vai utilizar um site que já tem toda uma estrutura e não vai precisar se preocupar com a divulgação e com nenhum outro processo da criação de um e-commerce. Pense que o site está lá, você só vai precisar cadastrar os seus produtos.

Baixo custo de aquisição

Você não vai precisar investir em marketing digital e todas outras estratégias de divulgação para captar clientes, pois o marketplace já estará fazendo isso por você. A única coisa que é paga é uma porcentagem por venda e, por conta disso, é necessário que você faça cálculos para ver se esse investimento é válido ou não.

Sem risco de fraude

Para alguns mercados a fraude é constante. O mercado de eletrônicos, como celulares, notebooks, que são produtos muito visados, o risco de fraude é constante. Quando você investe em um marketplace, eles garantem um sistema anti fraude para você. Ou seja, você pode vender tranquilamente e enviar os seus produtos sem preocupação.

Geração de novos canais

Muitas vezes o cliente não conhece a sua empresa, e estar presente em um marketplace ajuda você a divulgar os seus produtos e também a marca da sua empresa. Lembra daquele ditado “quem não é visto, não é lembrado?”. Pois então! Quanto mais visto você for, melhores serão os seus resultados.

Os problemas de vender em marketplace

É claro que não poderíamos apresentar somente os benefícios, as coisas boas, até porque conhecemos o lado ruim também de investir em um marketplace, e precisamos apresentar para vocês os dois lados da moeda. Então, confira os problemas de vender em marketplace.

O cliente não é seu

O primeiro problema é que o cliente não estará acessando o marketplace exclusivamente pela sua marca, mas sim para pesquisar preços, produtos, pois tem variedade. Então, consequentemente o cliente não é seu, mas sim do marketplace. Esse é um ponto bem chato, complicado, e você precisa tomar cuidado com essa questão.

Se a gente for comparar o marketplace com um e-commerce exclusivamente da sua empresa, por exemplo, um dos grandes problemas que comerciantes que depositam todas as suas fichas no marketplace possuem em comum é a falta de dados do cliente, de contatos, como e-mail, whatsapp, telefone. A maioria das pessoas nem conhece a sua marca, apenas compra.

Por exemplo: um consumidor acessou o Mercado Livre para comprar o produto “x’. Você acha que ele vai gravar o nome do lojista? Para não dizer nunca, dificilmente isso vai acontecer! Se qualquer pessoa fizer a pergunta: “em qual loja você comprou esse produto?”, provavelmente a resposta será “no Mercado Livre”. Isso é comum e uma das grandes desvantagens do marketplace: o cliente não é seu.

Perde relevância

Se você tem um e-commerce, poderá perder a relevância para o Google colocando todos os seus produtos no marketplace, com a mesma descrição. Isso porque o Google identifica que você está com os mesmos produtos, com a mesma descrição, em outro site. Para resolver isso, se você tiver um e-commerce e quiser anunciar os seus produtos no marketplace, crie outras descrições.

Concorrência ilimitada

Quando o cliente está dentro do seu e-commerce, você tem concorrência, mas o consumidor precisa sair e buscar outro site. Já no marketplace não, a sua concorrência está ali, no mesmo lugar, o usuário não precisa sair e buscar outra loja. Isso dificulta as vendas e aumenta a concorrência.

Dependência financeira

Quando você não tem um e-commerce, acaba dependendo financeiramente exclusivamente do marketplace. E se as pessoas param de comprar ali? E se o marketplace para de existir? O que você faz? É bom ter atenção com isso também.

Processos judiciais

Quando falamos de marketplace, você precisa entender que existe uma outra empresa no meio da relação entre você e o seu cliente, então essa conversa, que poderia ser mais fácil, entre a sua loja e o consumidor acaba sendo dificultada, e muitas vezes não acontece, o que pode acarretar em processos judiciais futuro e que, em muitos casos, a conta acaba sobrando para o lojista.

Comissão no insucesso

Caso você efetue alguma venda e, ao enviar o produto, o mesmo for extraviado, ou simplesmente o cliente solicitar a devolução do dinheiro pelo motivo “x” ou “y”, normalmente o marketplace vai cobrar a comissão de você da mesma forma, o que pode dificultar e prejudicar as suas vendas, quando o objetivo era o contrário. Portanto, é um ponto que vale ficar atento também!

E qual a comissão cobrada pelos marketplaces?

Não podemos afirmar um valor aqui, até porque existe muita variedade quando o assunto é a comissão cobrada pelos marketplaces para a venda de produtos de lojistas. Porém, em média, podemos dizer que está entre 10% e 20% atualmente, sobre o valor da venda.

Por exemplo: você vendeu R$ 1.000,00 em produtos, se o marketplace cobra 15%, você deixará R$ 150,00 para eles. Ou seja, na hora da transferência para a sua empresa, o marketplace já tira a sua porcentagem (10%, 15% ou 20%, conforme tratado na hora da parceria). Além disso, existem marketplaces que cobram a comissão em cima do valor do frete também. Portanto, fique atento!

“Ok, entendi. Mas, por onde eu começo para estar dentro de um marketplace?”

Então, aí vai um conselho da Climba Commerce: comece pelo Mercado Livre. Muita gente não gosta desse conselho, mas acreditamos ser o mais certo, o mais viável para você entender como funciona um marketplace e como serão todos os processos.

Além disso, o Mercado Livre, de todos os marketplaces, é o mais facilitado para lojistas que não tem conhecimento nenhum sobre venda na internet e as funcionalidades do marketplace. Então, além de ser o que recebe mais acessos, é o mais facilitada para iniciantes neste meio.

  • É fácil cadastrar vendedores no Mercado Livre.
  • É fácil cadastrar produtos.
  • É fácil enviar produtos.

Quando falamos de enviar produtos, o Mercado Livre se torna mais fácil porque eles possuem o Mercado Envios, que já gera a etiqueta dos correios direto no site, e você não precisa ter um contrato com os correios.

E isso tudo quer dizer que o Mercado Livre é a melhor escolha? Não. Vai depender muito dos seus produtos e também dos seus objetivos, como vimos anteriormente, existem muitos outros marketplaces para você investir. Mas digamos que, para iniciar, sim, o Mercado Livre é uma excelente opção.

Beleza, vamos começar!

Chegou a melhor hora: vamos aprender a começar a vender!

Primeiro passo: cadastro como lojista.

Segundo passo: cadastro de produtos no marketplace.

Quando falamos em cadastro, precisamos de muita atenção, pois existem várias formas de fazer, e como tudo na vida, umas são melhores que outras.

A primeira forma é fazer manualmente via painel do lojista no marketplace. Então, você vai lá no Mercado Livre, por exemplo, e cadastra um produto por vez. Outra forma é criar uma planilha, inserir todos os produtos lá e colocar a planilha no marketplace. Eles fazem a leitura e o cadastro dos produtos também é feito.

Mas aí estamos falando de formas manuais, que podem demandar mais tempo, além de outros problemas, como, por exemplo:

– Falta de controle do Estoque;

– Cadastro das informações separadas;

– Atualização de Preços manualmente;

– Gestão dos pedidos manualmente.

Para evitar toda essa mão de obra e tempo que você vai perder cadastrando os produtos manualmente, vamos apresentar algumas possibilidades, fique atento:

Possibilidade 1: Integrar o e-commerce com o marketplace

Se você tem um e-commerce, existe uma possibilidade automatizada e simples de você fazer o cadastro dos produtos no marketplace, que é a integração dos dois canais. 

Então, você tendo uma loja física com um sistema gestão integrada com a plataforma de e-commerce, é possível fazer a integração direta com o marketplace com todas as informações dos seus produtos, o que vai facilitar muito no cadastro dos produtos, pois qualquer alteração feita na loja física, será realizada de forma automática no e-commerce e no marketplace também. 

Além disso, existem diversos benefícios de integrar o e-commerce com marketplace, e separamos alguns deles para você:

  • Controle único do estoque;
  • Controle único dos preços;
  • Controle único de cadastros e informações;
  • Gestão única do envio dos pedidos.

Possibilidade 2: Integrar o e-commerce através de Hubs

Antes de tudo, vamos explicar para você o que são os hubs. Hub de Marketplace são empresas que integram o seu e-commerce com vários marketplaces diferentes. Ou seja, se você tem uma loja virtual, e não quer integrar apenas com um marketplace, mas sim com vários diferentes, através de um hub isso é possível.

O grande benefício de integrar o e-commerce com marketplaces através de hubs é exatamente a facilidade de estar em vários marketplaces e centralizar todo o estoque, os preços, o cadastro e informações de produtos em apenas um lugar. Centralizar e estar em vários lugares ao mesmo tempo.

Detalhes importantes que você precisa dar atenção

A garantia dos produtos é responsabilidade de quem? E a troca e devolução, como são feitas?

Essas são algumas dúvidas comuns recebidas quando o assunto é marketplace, e fazem total sentido. Mas não se preocupe, pois é exatamente tudo igual como um e-commerce/loja virtual. O lojista tem a responsabilidade de realizar uma troca, de devolver o dinheiro e dar a garantia de todos os produtos vendidos conforme previsto na lei.

Então, tudo que é necessário fazer em uma loja virtual, é necessário fazer no marketplace também. Não pense que fazendo uma parceria com a Americanas ou o Mercado Livre a responsabilidade da venda se torna deles, pois não é assim que funciona. Você continua sendo o responsável, essas empresas só estão fazendo a intermediação.

Outro assunto importante que você precisa conhecer: Buybox

Vamos falar dessa questão porque muitas pessoas não conhecem, nunca ouviram falar de Buybox. 

O Mercado Livre, por exemplo, não tem Buybox, que funciona da seguinte forma: quando o consumidor clica em um produto, ele tem a possibilidade de ver o preço de vários lojistas para o mesmo produto. Por exemplo: estou pesquisando por uma bola de futebol, e clico no marketplace da Americanas em uma bola da nike. Ao abrir esse produto, eu vou ter o preço da loja “x”, da loja “y” e da loja “z”.

Já no Mercado Livre, se eu pesquisar por uma bola da nike, ao clicar no anúncio feito pelo lojista, vou ter o preço somente daquele lojista, e não o preço de outros vendedores. Ou seja, não vou conseguir ver qual o preço mais em conta daquele determinado produto.

E como ficar no topo do Buybox?

Antigamente era preço. Aquele que era mais em conta estava no topo, simples assim. Hoje em dia é diferente, o marketplace analisa uma série de informações: se você envia os produtos rapidamente, se existem muitas trocas ou devolução para sua empresa, entre outras diversas questões que o marketplace leva em consideração para deixar a sua loja no topo do buybox.

E qual o melhor marketplace para o meu negócio?

Depende e varia muito. 

Não podemos afirmar que o melhor marketplace para a sua loja virtual é o “x” sendo que nem conhecemos o produto que você quer vender. Só afirmamos que o Mercado Livre é o melhor para iniciar, principalmente para quem é novo no meio digital.

Mas, se você já tem uma experiência em vendas, já possui uma loja virtual consolidada, o ideal é pesquisar o marketplace que mais tem a ver com o seu produto e analisar as condições da parceria também. Alguns cobram uma comissão tão alta que nem vale a pena, e o Mercado Livre pode ser um destes em várias categorias.

Portanto, cabe a sua análise para verificar qual faz mais sentido para o momento atual da sua empresa e também está dentro da sua margem para lucrar. Afinal, ninguém vai estar trabalhando, @vendendo para não receber nada no final do mês, não é mesmo?

Então, o segredo é fazer um cálculo completo para analisar se o que sobra no final do mês vale todo o esforço ou não, se o lucro líquido é positivo ou não. Muitos lojistas, ao não fazerem esse cálculo, são iludidos pelos números do marketplace no início, e frustados logo depois. 

“Então vou dedicar todos os meus esforços ao Marketplace e ficar rico!”

Cuidado!

Não é essa a ideia que queremos passar, até porque, quando falamos em marketplace, também apresentamos os malefícios de focar 100% dos seus esforços somente nisso, pois você estará sempre dependendo de alguém, e não exclusivamente da sua empresa, do seu negócio.

E você sabe muito bem que, quando dependemos 100% de uma pessoa para lucrar, ganhar dinheiro, as chances de perder dinheiro crescem muito. Portanto, marketplace é sim ótimo para os lojistas, mas você precisa ter cuidado, e nunca investir 100% os seus esforços somente naquilo.

Lembre-se sempre que, ao investir em marketplace, você estará dependendo de alguém. E depender de alguém pode ser um sucesso no início, mas depois as coisas podem apertar, os padrões mudar, a tecnologia avançar e o seu negócio ficar para trás.

Então, se você vai colocar os seus produtos em um marketplace, tenha uma estratégia em mente, como, por exemplo:

“Quero aumentar meu giro de estoque para conseguir preços melhores com fornecedores.”

“Quero testar alguns produtos para saber onde investir no meu e-commerce.”

“Quero aumentar minha base de clientes.” (muito cuidado com essa!)

Nesses casos faz sentido, pois você terá uma estratégia, um propósito para estar anunciando no marketplace. Caso contrário, você estará alugando um território que não é seu, e poderá perder esse local com um piscar de olhos, pois, afinal de contas, ninguém constrói prédio em terreno alugado.

Assim todos os seus esforços para a construção da sua empresa serão jogados por água abaixo, por uma simples decisão: investir 100% os esforços no marketplace.

Muito obrigado por ter lido até aqui!

Então, agradecemos por você ter lido este conteúdo até aqui. Esperamos que tenha sido relevante para você, e que também tenha entendido se o marketplace vale ou não para a sua loja e para os seus objetivos e estratégias digitais. 

Como falamos, essa é uma série de conteúdos mais extensos, com mais informações, e teremos novos conteúdos como esse em nosso blog. Se você gostou, aproveite para assinar nossa newsletter (não vamos te enviar Spam) e ficar por dentro de todas as nossas novidades.

Leave a reply

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>